Twitter, Restart e a falta de segurança virtual

No Twitter pode acontecer tudo. Ou quase tudo, para que não me rotulem de extremista. O fato é que, desde uma hashtag criada por pura diversão até um vírus desenvolvido para roubar sua senha, qualquer coisa lançada no Twitter terá algum impacto.

E foi exatamente o que aconteceu. Desde ontem um malware circula na rede afetando as contas dos usuários. De acordo com informações do Portal G1, os links receberam cerca de 150 mil cliques.

Tudo começou com a falsa notícia sobre um grave acidente com o integrante da Banda Restart, o Pe Lanza. Depois o vírus começou a circular em uma suposta justificativa para o ataque à rede e, finalmente, em outro link malicioso prometendo fotos da Sabrina Sato sem roupa e acompanhado da hashtag #octnefx. Bastava um simples clique e as mensagens eram replicadas, espalhando o vírus por todo o Twitter. Há informações ainda que outros dois vírus estejam circulando, um que fala sobre uma suposta briga entre Serra e Dilma e outro sobre como acabar com os ataques do vírus.

Segundo o criador do vírus, sua intenção era mostrar para a administração do Twitter a falha na programação do site. Se foi isso ou não, o Twitter tratou de excluir a conta do usuário “espertinho”. De todo modo, creio eu, espalhar uma ameaça não é a melhor forma de colaborar com algo ou alguém.

Para evitar transtornos, foi recomendado trocar a senha e revogar o acesso dos aplicativos à conta, além de limpar o cache do navegador. Feito isso, aparentemente não há com o que se preocupar, já que o vírus não afeta o computador. Eu encontrei duas ameaças armazenadas no meu PC quando fiz o escaneamento com o antivírus; não posso afirmar que é resultado do link do Twitter, mas todo cuidado é pouco. Excluí e agora estou mais tranquila.

Mas por que trouxe esse assunto pra cá? Porque há poucos dias o Twitter enviou mensagens aos usuários para explicar sobre algumas mudanças que pretendem aumentar a segurança na rede. As atualizações referem-se aos aplicativos e ao encurtador de URL do próprio Twitter.

Há tempos sabemos dos riscos aos quais estamos expostos na Internet. Antes das redes sociais, a melhor forma de roubar informações eram os e-mails. Por isso, empresas como a Microsof, o Google ou o Yahoo! modernizaram a proteção dos serviços de e-mail, oferecendo anti-spams e tudo o mais. Com a mudança no comportamento do internauta, que agora se comunica muito mais por meio de sites de redes sociais, os riscos de antes também se transferiram para lá. A diferença é que no Twitter, no Orkut ou Facebook, não existem pasta de lixo eletrônico (ainda).

Portanto, relaciono abaixo algumas dicas para evitar dor-de-cabeça virtual:

1 – Confie apenas em encurtadores que você conhece e que são postados por pessoas confiáveis da sua rede. Há ainda alguns encurtadores específicos, como é o caso do utilizado pelo Examiner (exm.nr) e pelo Mashable (mash.to). Veja alguns em que você pode confiar:

t.co – o encurtador do Twitter te avisa se o site for perigoso;
goo.gl e youtu.be – encurtadores do Google;
migre.me – Já é bem conhecido e bastante usado por aqui.

2 – Desconfie de notícias polêmicas ou que despertem curiosidade extrema. Nesse caso, verifique as fontes antes de clicar. Se aquela informação vem de um site de notícias com credibilidade, pode valer o clique, mas se ela vem do seu vizinho… pense bem. É melhor ser o último a saber da “notícia do momento” do que ter o seu computador infectado.

3 – Preste atenção no texto que acompanha o link. Geralmente os textos são padrões e, provavelmente, quando você replica algo na web, faz alterações. É natural esse tipo de atitude, as pessoas gostam de deixar sua opinião sobre o que leram. Portanto, observe se os seus amigos estão reproduzindo o mesmo texto e desconfie;

4 – Só autorize aplicativos confiáveis e que você usa com frequência. O Twitter já emitiu um alerta sobre esse apps. Evite sair distribuindo autorizações à aplicativos sem necessidade. Se você vai fazer aqueles testes para saber qual personagem de Crepúsculo você é, pense se isso realmente é necessário para sua vida. Se você acha que é, faça o teste, mas remova a conexão com o aplicativo depois;

5 – Evite o uso de scripts que prometem aumentar os seus seguidores, principalmente aqueles que solicitam senha. Se você quer ter muitos seguidores, procure conquistar isso com tweets interessantes, com simpatia e interação. De nada vai servir 300 mil seguidores se você não acrescenta nada à vida deles e vice-versa. Pense na qualidade das suas relações, não na quantidade.

No mais, é ficar atento e proteger o seu computador. Sempre limpe o cache dos seus navegadores após o uso (salve os sites que você quer ver depois), evite deixar senhas armazenadas em qualquer local e controle a sua curiosidade. De resto, é aproveitar o que as redes sociais têm de bom para você.

4 pensamentos sobre “Twitter, Restart e a falta de segurança virtual

  1. Pingback: Tweets that mention Twitter, Restart e a falta de segurança virtual « neoBudega -- Topsy.com

  2. Belo texto moçoila. Não conhecia esse seu espaço, ou pelo menos não estou me lembrando de tê-lo visitado. Tá indo lá pro meu reader.😉

    P.S.: eu caí nessa primeira onda desse malware por causa do Bob Fernandes (editor do Terra Magazine), você vê que credibilidade não é tudo nessa vida, temos que nos ater aos detalhes sempre. rs

  3. Pequena Gênio!!! =) Homi! Esse seu alerta é de muita utilidade… pelo menos p/ mim! Só daqueles lesos que clicam em td quanto é besteira, mas é melhor mesmo ser precavido do que ter dor de cabeça depois!

    Bjoooooo p/ tu!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s